quinta-feira, 21 de setembro de 2017

"Sombras na noite" - "O torpor"


Fotografia © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)

Capa do livro "Sombras na noite"


Apresento a capa do livro "Sombras na noite"...

Diferente do meu primeiro livro, esta é a minha primeira incursão na prosa poética onde abundam os sentimentos gerados pelas paisagens de montanha, em em especial pelas paisagens da Serra do Gerês, e pela personalidade saudosista, além da irreverência do Amor.


O tema deambula entre as serranias Geresianas, a maior das paixões deste escritor, que já nos habituou imenso às suas palavras fortes que nos deixam a sonhar com noites nevadas, ventos frios à lareira, entre o crepitar do fogo e o uivar dos lobos.

O livro será publicado pela Artelogy e a sua apresentação está prevista para o dia 23 de Setembro de 2017 a decorrer no Pólo de Fafião do EcoMuseu de Barroso.


Este livro está disponível em papel bem como em versão ebook.

Este é um livro de fotografia e textos de prosa poética inspirado nas serranias Geresianas, na saudade e no Amor.

O livro terá um preço de €18,00 e pode ser desde já encomendado para ser entregue na apresentação. Quem desejar encomendar o livro ou a sua versão ebook (com o preço de €5,99) deverá enviar uma mensagem via correio electrónico para o autor através do endereço rmcsbarbosa@gmail.com.

Fotografias © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)

O fim das concessões mineiras em Carris (I)


A verdade é que já em 1983 as hipóteses de se retomar a exploração mineira nos Carris eram muito pequenas. Com o abandono das pretensões de exploração, o acampamento mineiro é abandonado à sua sorte. As populações serranas tiram partido das infra-estruturas e segue-se um verdadeiro saque aos edifícios com a remoção de mobílias e aproveitamento de outros elementos. Existindo ainda estruturas de exploração mineira, não se sabe em que data terão sido retiradas as maquinarias mais pesadas das instalações, acontecendo isto muito provavelmente já em meados ou finais dos anos 70 e sendo a maquinaria aparentemente “…retirada e roubada…” (segundo o que terá sido referido a Carlos Sousa por Alexander Shneider-Scherbina. Por correspondência electrónica com Carlos Sousa a 11 de Dezembro de 2007.) por um dos sócios da sociedade.  

O “Mapa dos Impostos Fixos das Concessões Mineiras e das Águas Minerais Relativos ao Ano de 1984 e Lista dos Respectivos Concessionários”, publicada pelo Ministério da Industria e Energia (Secretaria de Estado de Energia – Direcção-Geral de Geologia e Minas), aponta para a existência de várias explorações mineiras identificadas em zonas próximo de Carris. 

A 30 de Dezembro de 1986 é enviado para o Secretário de Estado da Industria e Energia o pedido de suspensão de lavra para o ano de 1987. Neste pedido, Adriano Barros descreve sumariamente o passado recente da mina, referindo a reparação da estrada em Setembro de 1978, bem como a reparação e instalação de parte do acampamento. Assinala que em 1979 e 1980 a mina mantivera-se em produção mas que se vira obrigado a suspender a sua actividade, tendo neste período realizado diversos trabalhos de geologia mineira com a implantação à escala do ‘Filão Salto do Lobo’. Refere também os trabalhos sem sucesso levados a cabo pelo Serviço de Fomento Mineiro. Os motivos invocados para a nova suspensão de lavra em 1987 são as baixas cotações dos minérios de volfrâmio devido às quais não se previa num futuro próximo a execução de novos investimentos.

As explorações mineiras na zona dos Carris identificadas no “Mapa dos Impostos Fixos das Concessões Mineiras e das Águas Minerais Relativos ao Ano de 1984 e Lista dos Respectivos Concessionários”

O pedido de suspensão de lavra para 1988 é entregue a 25 de Março desse ano, sendo mais uma vez evocadas as baixas cotações dos minérios volframíticos. O pedido de suspensão de lavra contém algumas considerações com as quais se pretende facilitar a decisão da Secretaria de Estado da Energia. Referindo que a Sociedade das Minas do Gerez era uma empresa de capital maioritariamente estrangeiro, os critérios de remuneração do seu capital não se poderiam pautar apenas pelos acontecimentos no mercado português. Tendo a crise internacional dos preços do mercado do tungsténio tido início em 1981 / 1982, esta somente se fez sentir em Portugal em 1985 / 1986. Isto deveu-se em certa medida à constante desvalorização do escudo, à valorização do dólar norte-americano e à taxa de inflação em Portugal. Estes três factores levaram como que à criação de uma «almofada» que isolou as empresas nacionais de capital maioritariamente ou exclusivamente português, dos efeitos negativos das quedas das cotações. A crise volframítica originou-se mais cedo no caso da Sociedade das Minas do Gerez, pois quando a empresa encetou esforços para se financiar no estrangeiro para assim aumentar o seu capital necessário à lavra mineira, encontrou critérios de valorização de investimento que eram totalmente distintos por parte dos detentores de capital estrangeiro.

Enquanto que a Sociedade das Minas do Gerez encetava esforços para reactivar a mina, mesmo sendo mal sucedidos, surgiram outras possibilidades de investimento fora do sector do tungsténio. Porém, e por imposição do Instituto de Investimento Estrangeiro, o pacto social da Sociedade das Minas do Gerez proibia outra actividade que não estivesse relacionada com a exploração mineira das concessões que detinha e que levou os sócios a criarem a empresa PROMINAS. Através desta nova empresa foram canalizados investimentos para o sector mineiro que de outra forma seriam perdidos.

O pedido de suspensão de lavra acabaria por ter parecer positivo pelas razões invocadas a 11 de Junho, tendo a concordância do Secretário de Estado a 24 de Junho e seu deferimento a 22 de Julho de 1988.

Texto adaptado de "Minas dos carris - Histórias Mineiras na Serra do Gerês" (Rui C. Barbosa, Dezembro de 2013)

Fotografia © Miguel Campos Costa (Todos os direitos reservados)

Fotografia © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)

"Sombras na noite" - "Um rio de palavras soltas…"


Fotografia © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)

Paisagens da Peneda-Gerês (CCXIV) - Marcos miliários na Mata de Albergaria


Os marcos miliários, na Geira Romana, são testemunhos da presença do Império Romano na Serra do Gerês. A fotografia mostra os marcos da Milha XXXIII na Mata de Albergaria.

Fotografia © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)

Movimento do silêncio


Acto Primeiro

Onde o silêncio se move com cada animal

Por entre os passos mais ou menos cadenciados do percurso que nos leva ao alto da montanha, mesmo em grupo caminhamos em silêncio na profunda contemplação do nosso interior em perfeita sintonia quântica com os elementos que nos rodeiam. Nas cristas serranas procuramos como que a figura fugidia que algo que nos faça exclamar sem preconceito perante tamanha beleza.

O por entre o estranho fenómeno que transforma a luz nos estímulos visuais, tratamos a paisagem como algo imutável. Ao lado, sempre ao lado da jornada sobre o granito, o rugido do rio envolve-nos como uma mortalha de reflexos argenteos e o vento que se levanta percorre a pela suada pelo esforço. É como dizer adeus ao que deixamos para trás a cada passo em frente em direcção ao ponto mais alto.

Acto Segundo

Abre-te e conta-me os teus segredos

Abre-te e conta-me os teus segredos no mesmo momento que contemplas a imensidão do vale à sombra do colosso granítico. Perante ti,uma exposição do teu ser, estão os segredos encontrados dentro da sabedoria, mas que nenhum homem deve aprender. Uma cascata de fragmentos da vida despenha-se por entre as paredes alcantiladas de granito. O teu olhar é a janela aberta para a imensidão da tua tristeza.

Fotografia © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

"Sombras na noite" - "Silêncio veludo"


Fotografia © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)

"Sombras na noite" - "Mar ardente"


Fotografia © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)

Paisagens da Peneda-Gerês (CCXIII) - Encosta do Sol desde o Peito de Escada


A Encosta do Sol, Serra do Gerês, sobranceira ao Vale do Alto Homem vista desde o Peito de Escada.

Fotografia © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)

"Sombras na noite" - "Escrito com sal"


Fotografia © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)

"Sombras na noite" - "O sopro do vento"


Fotografia © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)